Ir para o conteúdo

O que é Teste de Software? Por que é necessário?

4 min. de leitura

Avatar de Guilherme Wergutz Muller

Guilherme Wergutz Muller Autor


Nem sempre o que é “óbvio” para um, é “óbvio” para outro, não é mesmo?!

Neste sentido, escrevo esta publicação com um objetivo simples: apresentar de forma consistente, resumida e estruturada em tópicos, pontos relevantes sobre “O que é teste de software e por que ele é necessário dentro do ciclo de desenvolvimento de sistemas, seja ele ágil ou não”.

Este conteúdo direciona-se a todos os profissionais experientes (ou não) das áreas relacionadas ao desenvolvimento e teste de software, que desejam reciclar seus conhecimentos sobre testes e, também, a todos aqueles que desejam conhecer mais sobre este mundo. A base desta escrita é o manual de estudos para certificação CTFL de teste de software do ISTQB (2018br) — International Software Testing Qualifications Board.

Image for post
Foto: https://blog.onedaytesting.com.br/teste-de-software/

O que é teste de software?

  • O teste de software é uma maneira de avaliar a qualidade da aplicação e reduzir o risco de falha em operação.
  • Testar não consiste apenas em executar testes (executar o software e verificar os resultados). Executar testes é apenas umas das atividades.
  • Planejamento, análise, modelagem e implementação dos testes, relatórios de progresso, resultado e avaliação da qualidade, também são partes de um processo de testes.

Testar software não é somente verificar se os requisitos foram atendidos ou se as estórias de usuário (User Stories), bem como demais especificações, foram contempladas. Atribui-se ao teste de software também a validação, ou seja, verificar se o sistema atenderá às necessidades do usuário e de outras partes interessadas em seu(s) ambiente(s) operacional(is).

Podemos dividir os testes em duas categorias: dinâmico e estático.

O teste dinâmico refere-se à execução de um componente ou sistema. Já os demais, que não envolvem a execução do componente ou sistema, são conhecidos como testes estáticos. Para cada uma destas categorias existem inúmeros tipos de processos, mas neste momento não irei entrar neste assunto. Lembrando que estou seguindo a linha apresentada pelo Syllabus.

São vários os objetivos de se testar um software, independente do projeto. O Syllabus destaca os seguintes:

  • Avaliar os produtos de trabalho (requisitos, estórias de usuário, modelagem e código);
  • Verificar se todos os requisitos especificados foram atendidos;
  • Validar se o objeto de teste está completo e funciona como os usuários e outras partes interessadas esperam;
  • Criar confiança no nível de qualidade do objeto de teste;
  • Evitar defeitos;
  • Encontrar falhas e defeitos;
  • Fornecer informações suficientes às partes interessadas para permitir que elas tomem decisões, especialmente em relação ao nível de qualidade do objeto de teste;
  • Reduzir o nível de risco de qualidade de software inadequada (ex.:, falhas não detectadas anteriormente que ocorrem em produção);
  • Cumprir com requisitos ou normas contratuais, legais ou regulamentares, e/ou verificar o cumprimento do objeto de teste com tais requisitos ou normas.

Testar software não é depurá-lo.

As atividades não são sinônimas. O que ocorre é que em alguns casos, os testadores são responsáveis pelo teste inicial e pelo teste de confirmação final, enquanto os desenvolvedores fazem a depuração e o teste do componente associado. Há ainda os contextos ágeis, onde os testadores podem ser envolvidos na depuração e no teste de componente. Em resumo, há uma diferenciação para TESTE e DEPURAÇÃO:

Teste → A execução dos testes pode mostrar falhas causadas por defeitos no software.

Depuração → Atividade de desenvolvimento que localiza, analisa e corrige esses defeitos.

Por que o teste é necessário?

  • Para reduzir o risco de falhas durante a operação. Isso se dá a partir de testes rigorosos de componentes e sistemas, além do uso de documentação adequada;
  • Para contribuir com a qualidade dos componentes ou sistemas. Isso se dá a partir da detecção e correção de defeitos;
  • Para atender aos requisitos contratuais/legais ou aos padrões específicos do setor a que se destinam;

Contribuições para o sucesso

Envolver o papel do testador durante todo o ciclo de desenvolvimento do software pode aumentar as chances de sucesso nos projetos. Sabendo disso, o Syllabus exemplifica alguns cenários, os quais separo em ETAPA – momento do ciclo onde sugere-se o envolvimento do teste, BENEFÍCIO – contribuições do teste na referida etapa e JUSTIFICATIVA – ganhos ao inserir o teste na etapa.

BUG, DEFEITO e FALHA


Uma pessoa pode cometer um erro (engano), que pode levar à introdução de um defeito no código do software ou em algum outro produto de trabalho relacionado.

  • Um erro que leva à introdução de um defeito em um produto de trabalho pode acionar outro erro que leva à introdução de um defeito em um outro produto de trabalho relacionado.

Exemplo: uma pessoa levanta um requisito de forma incompleta, ambígua, incorreta. Caracteriza-se um erro. O projeto de software daquele requisito é realizado de forma incorreta. Caracteriza-se um defeito. O desenvolvedor cria um código incorreto a partir de um projeto incorreto/errado. Caracteriza-se um erro. O software gerado apresentará defeito devido ao código incorreto.

  • A execução de um código defeituoso, pode causar uma falha, mas não necessariamente em todas as circunstâncias.

Exemplo: bug do milênio, que ocorreu em uma circunstância específica.

  • Nem todos os resultados de testes inesperados são falhas. Podem ocorrer falsos positivos (relatos de defeitos que não são defeitos) ou também falsos negativos (testes que não detectam defeitos que deveriam ser detectados).
  • Falsos positivos podem ocorrer devido a erros na forma como os testes foram executados ou devido a defeito nos dados, no ambiente ou em outro tesware (produtos de teste) ou por outros motivos.
http://www.galitezi.com.br/2012/02/conceito-erro-defeito-e-falha.html
Foto: http://www.galitezi.com.br/2012/02/conceito-erro-defeito-e-falha.html

Como coloquei no início desta publicação, acredito muito que não exista o óbvio, principalmente quando falamos de saberes. Nem tudo que é óbvio para mim, é óbvio para você. Em outras palavras, mesmo que para profissionais da área alguns dos conceitos apresentados anteriormente pareçam ser básicos, para outros pode ser novidade, ou então, já tinham lido a respeito mas não lembravam e buscam uma reciclagem para recapitular pontos importantes. De qualquer forma, a disseminação de conhecimento sempre é válida, do básico ao avançado, ele deve ser repassado.

CTFL Foundation