Ir para o conteúdo

Mudança de carreira: 9 cases de sucesso com o CWI Reset

11 min. de leitura

Avatar de CWI.Digital House

CWI.Digital House Autor


O aquecido mercado da Tecnologia da Informação atrai a atenção até de quem já tem uma carreira consolidada em outra área. E o CWI Reset vem sendo, há alguns anos, a conexão para quem quer fazer essa transição de profissão.

É um programa on-line de capacitação na área de Engenharia de Software, com turmas voltadas para Desenvolvimento, Qualidade e Processos. Neste artigo, 9 profissionais formados pelo Reset contam porque tomaram a decisão de recomeçar a carreira na TI e como foi a experiência de fazer isso por meio dessa iniciativa.

Navegue pelo artigo com os links abaixo


Mudar de carreira: um desafio que compensa

O CWI Reset é dividido em duas etapas, o Level 1 e o Level 2. Na primeira, as pessoas selecionadas podem acessar os conteúdos disponibilizados no horário que preferirem e, na segunda, ocorrem encontros on-line síncronos ao longo de cinco sábados. Ambas, no entanto, exigem muita dedicação.

“Devo ter estudado quase todos os dias durante o período do curso”, conta o programador Felipe Pereira Borges, que deu um reset na sua carreira de engenheiro mecânico. A testadora de software Ivelise Brum Cicognani, que veio da Química, teve uma experiência parecida com a dele. “Foi um período de muito aprendizado, mas por outro lado, muito puxado, que demandou muito esforço, dedicação e estudo.”

“Cada aula era um desafio”, resume a desenvolvedora Camila da Silva Becker, que fez o seu reset após sair da área da Logística. “Porém, no final, era gratificante ver o quanto eu havia aprendido e quanto potencial eu tinha para continuar me desenvolvendo ainda mais.”

Aprendizado que continua

Para o Nicolai Chaplin Poletto, o desafio no Reset acabou virando motivação. Formado em Engenharia de Controle e Automação, ele avalia que aprendeu muito em pouquíssimo tempo e que agora, atuando na CWI como desenvolvedor, continua aprendendo. A percepção da testadora de software Fabiana Kirsch é semelhante: “foi um desafio enorme”, comenta. “Eu tinha pouquíssimo conhecimento técnico sobre o conteúdo do Reset, para não dizer quase nada, então aprender tudo foi um grande desafio — e continua sendo.”

O testador Elcio Augusto Dalosto compartilha a sensação de que o esforço compensa. Antes do programa, ele atuava como servidor público municipal. “O primeiro desafio foi a decisão de abandonar um cargo de concurso estável, sem certeza alguma sobre o que estaria por vir. O fato de eu ter conseguido realmente a transição de carreira foi algo marcante, pois eu já estava me sentindo estagnado há alguns anos.”

Dedicação permitiu quebrar barreiras

A persistência também aparece em relatos de formados pelo Reset como o do programador Diego Alex das Neves, até então técnico predial. “Aprendemos outros conceitos, que não vivenciamos no mundo acadêmico. No primeiro momento em que entrei em contato com o framework Spring Boot, por exemplo, achei que não iria conseguir absorver aquele conteúdo. Lembro que fiquei muito preocupado por acreditar que talvez eu não conseguisse aprender em pouco tempo, mas assisti novamente à gravação da aula e, fazendo o passo a passo mostrado, consegui absorver o novo conteúdo ao longo da semana.”

Para a Fabiana, o desafio de aprender sobre uma área nova, após anos trabalhando como programadora de produção em uma indústria química, se somou a uma situação pessoal muito difícil. “Durante o início do processo seletivo do Reset, perdi minha mãe. Foi muito doloroso e não tive energia nem ‘cabeça’ para me dedicar o suficiente aos estudos. Com isso, não passei na primeira chamada.”

A trajetória dela com a CWI, no entanto, continuou, pois naquela segunda edição o programa abriu um novo grupo. “Em torno de um mês depois, veio o convite para participar da turma de testadores. Dessa vez, me dediquei muito, por mim e pela minha mãe, que sonhava meus sonhos também e sabia que essa era minha vontade.” A Fabiana concluiu o Level 2 e hoje faz parte do nosso time.


Mudar de vida com o apoio de uma grande equipe

No nosso manifesto, a gente diz que “somos feitos de pessoas que têm em si a cultura CWI”. Essa cultura inclui um marcante senso de colaboração e os participantes do Reset puderam observar isso.

“Uma coisa que me chamou bastante atenção durante todo processo foi a atenção de todos da CWI e dos colegas, que sempre se ajudaram muito desde o início”, lembra o desenvolvedor Everton Machado Rosa. “Nunca senti um clima de competitividade, sempre foi uma parceria.”

O Elcio também experienciou esse suporte. “Através do Reset conheci colegas de vários cantos do Brasil — a distância, por conta da pandemia —, muita gente boa e motivada, pessoas que me ofereceram e deram apoio durante todo o processo e mesmo depois de concluído se mostraram dispostos a ajudar.” A Camila concorda, contando que “a equipe da CWI sempre foi muito transparente e muito solícita”.

Captura de tela de uma videoconferência no Zoom, em que três pessoas sorriem para a tela: Diego Neves, Elcio Dalosoto e Ana Birk. Ao lado, aparece um personagem em 3D com o texto "protótipo" acima dele. Abaixo dele, temos o seguinte: "texto sendo traduzido em tempo real e sendo executado como gestos".
Foto: Elcio Dalosto

Já o Nicolai se surpreendeu positivamente. “Com a organização, o ambiente sensacional e a oportunidade de aprendizado oferecida”, explica. “Vivenciei o cotidiano de uma empresa organizada, conheci pessoas sensacionais, com a satisfação de saber que apostam no meu potencial.” O Felipe salienta uma questão da mesma linha. “A interação com os participantes de diferentes áreas e os colaboradores da CWI foi muito bacana.”

Por esses e por outros motivos, o Everton, que veio da área da Engenharia Mecânica, avalia que o Reset “não é apenas um programa de capacitação, ele proporciona uma mudança de vida”. “Sair da zona de conforto e começar tudo do zero foi bastante desafiador, mesmo tendo certeza da minha escolha. Mas existe todo um acompanhamento e treinamento após iniciar em um projeto.”


Diferentes caminhos que levaram à tecnologia da informação

O Reset foi criado em função da grande demanda por novos talentos na TI, em crescimento constante há anos. Para participar, não há restrições de idade ou de formação acadêmica. 

Não é necessário sequer ter iniciado um curso superior, basta ter atuado profissionalmente em outra área e querer recomeçar. As experiências dos reseters em diferentes campos são valorizadas e os seus conhecimentos prévios não se perdem: acabam sendo úteis no dia a dia, de alguma forma.

É o caso, por exemplo, do Everton. “Eu não estava mais me identificando com a área em que estava atuando. Em uma das conversas e reflexões que tive, percebi que o que eu mais gostava de fazer era criar soluções, e a tecnologia poderia ser um dos meios para isto. Criar uma solução e ver ela funcionando é muito gratificante.”

Curiosidade que acabou se tornando carreira

Entre os motivos pelos quais os participantes do Reset costumam considerar a área, está a curiosidade. Foi o que aconteceu com o Diego, quando viu que um colega de trabalho utilizava a ferramenta VBA em uma planilha de Excel para fazer a coleta de dados. “Eu obviamente fiquei muito empolgado em obter tal conhecimento em tecnologias em geral”, descreve.

A curiosidade também teve um papel importante na decisão do Elcio pela TI. “Desde meu primeiro contato com um computador, passei a ter grande interesse por tudo o que tem relação com a tecnologia”, relembra. “Além do software, eu gostava de ‘fuçar’ no hardware.”

Da mesma forma, a inclinação estava presente para a Camila há muito tempo. “Eu sempre fui apaixonada por tecnologia, porém por medo e insegurança eu deixei isso de lado e segui outros caminhos”, conta. Em contrapartida, há situações como a do Felipe, em que o interesse pela TI vem aos poucos. “Comecei a estudar sobre algumas tecnologias e acabei ganhando cada vez mais gosto pela área.”

Um mercado de trabalho com mais chances

Outra razão que leva profissionais com carreiras consolidadas a procurarem a TI é o mercado de trabalho. “Eu enxergava maiores oportunidades de desenvolvimento dentro da TI, uma vez que a área está crescendo exponencialmente”, recorda a Fabiana.

A testadora de software Joelma de Oliveira Prestes, por exemplo, chegou a iniciar uma graduação em Ciências da Computação. Acabou interrompendo o curso, optando por Administração de Empresas, mas voltou para a tecnologia por meio do Reset ao perceber que a carreira tinha, sim, a ver com ela. “Sou uma pessoa que gosta de desafios e de mudanças, a área de TI é exatamente assim, em constante evolução.”

A Ivelise, licenciada em Química, viu uma nova chance para se reinventar e desafiar profissionalmente. “Comecei a estudar muito e consumir diariamente conteúdos, e aos poucos fui me identificando.” A resiliência também faz parte da história dela com o nosso programa de formação. “Infelizmente não fui selecionada para a primeira turma, no início de 2020. Segui estudando, não desisti e, na segunda turma, participei novamente da seleção e graças a Deus e ao meu esforço, fui selecionada!”


Por que fazer a mudança de carreira na CWI

Fazer a transição de carreira por meio de um programa de capacitação da CWI foi a opção do Felipe porque ele sempre admirou a nossa cultura. “Percebi que seus colaboradores acreditavam nela e que era praticada em um ambiente acolhedor, e que possibilita um aprendizado constante.”

Em uma perspectiva diferente, o motivo da Fabiana tem relação com a nossa diversificada atuação. “É uma empresa referência em sua área de negócio e tem boas referências de desenvolvimento dos colaboradores. Como a CWI trabalha com clientes dos mais variados negócios, tem um escopo muito grande de conteúdo, o que ajuda no aprendizado.”

O espaço proporcionado a quem está começando na TI é outra razão que justifica a escolha dos reseters. “Não é muito fácil encontrar empresas dispostas a dar oportunidade para muitos profissionais que, assim como eu, também procuram sua primeira chance na área de tecnologia”, avalia Camila.

“Eu admiro muito a empresa por isso, por dar esse espaço e acreditar no potencial das pessoas”, completa. “Em toda a minha vida profissional sempre senti que estava faltando alguma coisa e desde quando eu comecei a trabalhar na CWI, eu não tenho mais esse sentimento.”

As pessoas fazem toda a diferença

O fator “pessoas”, no entanto, é o que mais aparece quando questionamos o motivo pelo qual a CWI foi a escolhida na hora da mudança de carreira. “Principalmente pelo clima organizacional, dava para ver que o pessoal se ajudava muito”, resume o Everton. “Eu, pelo menos, fui muito bem acolhido pela equipe e nas primeiras semanas já me sentia bem à vontade com o pessoal.”

O Nicolai conta que está “sendo surpreendido positivamente”, com destaque às pessoas com quem tem convivido. “Além de ser bem recebido, elas têm sempre me ajudado a continuar aprendendo. E um dos pontos mais importantes para mim, que era um receio que não fosse ocorrer: eu sou desafiado. Estou em um projeto complexo, que hoje está em evidência, com uma seleção de profissionais extraordinários.”

E os elogios ao time CWI são, para nosso grande orgulho, uma constante. O Diego destaca o apoio que recebe dos colegas, “para que o aprendizado e a nova experiência profissional seja um processo divertido e tranquilo”. A Fabiana diz que aprende muito com o time em que está inserida, “tanto na área relacionada a testes quanto aos processos em geral”.

“Cada dia aprendendo algo novo, com muita animação. É uma qualidade de vida muito diferente da que eu tinha anteriormente. Mesmo com as demandas, tenho uma liberdade maior e consigo gerenciar meu tempo.”


“Além do software” não é apenas um slogan

“A CWI é uma empresa que acredita em pessoas, é realmente muito além do software.” Assim a Joelma relaciona o nosso slogan com as práticas do dia a dia na empresa, onde ela quis trabalhar em função de indicações de amigos. “A squad na qual fui alocada é incrível, me receberam de braços abertos. Esse investimento no ser humano, esse incentivo, essa crença de que todos somos capazes me fascina.”

Além disso, a Joelma também destaca que o programa foi uma jornada de autoconhecimento e superação. “Quando recebi o e-mail me convidando para a segunda etapa do programa, me dediquei ainda mais, quebrei a cabeça e fui resiliente. O Reset me mostrou que nunca é tarde pra recomeçar. Conheci pessoas incríveis e acima de tudo compartilhamos experiências.”

O Elcio, da mesma forma, elogia aspectos que ultrapassam a questão técnica. “A CWI é uma das poucas empresas do RS, que eu conheço, que oferece uma cultura diferenciada e, ao meu ver, promissora, de respeito mútuo, de incentivo ao aprimoramento profissional, de compartilhamento de conhecimento, com preocupação com o bem-estar dos funcionários e possibilidades de crescimento profissional.”

No caso dele, o Reset proporcionou ganhos em diferentes questões. “Fiz uma troca quase que equivalente de remuneração, sendo um salário levemente inferior ao meu anterior, com uma carga horária um pouco maior, mas com melhores benefícios, plano de saúde, vale-alimentação, cultura de respeito, perspectiva de crescimento e trabalho em home office.”

A Fabiana percebe o “além do software” no trabalho em equipe, na responsabilidade e na colaboração. Já para a Camila, o Reset significou “a realização de um sonho”. “E saber que eu tenho o que é preciso para encarar qualquer desafio.” 


Uma oportunidade inesperada: turma de Qualidade

A capacidade de adaptação a mudanças está no DNA da CWI. Por isso, quando nosso time percebeu uma oportunidade que não estava prevista inicialmente na segunda edição do programa, foi fácil criar espaço para uma nova turma de reseters.

O grande número de participantes com perfil para passar para a próxima fase levou a empresa a adaptar o formato do Level 2 para que pudesse haver um grupo focado em qualidade de software. Essa área é vista com extrema atenção pela CWI há anos e, assim como as demais, tem demanda crescente por novos talentos. 

Após essa experiência bem-sucedida, iniciamos a terceira edição já com uma turma de Processos, somando-se às de Desenvolvimento e de Qualidade. Assim, agora temos três das quatro disciplinas da Engenharia de Software CWI contempladas no Reset.

O início da capacitação, o Level 1, é o mesmo para todos os participantes. Após a conclusão desta etapa, ocorre um período de entrevistas para, então, identificar quais as áreas mais indicadas para os selecionados, convidando-os para o Level 2. 

Mesmo com a segmentação por disciplinas, todos os reseters passam por um processo de integração. No caso da primeira edição com mais de uma turma, houve um intensivo durante o primeiro mês de CWI. Falamos sobre metodologia, cultura e processos, assim como conteúdos ainda mais aprofundados de cada área. Depois disso, projetos de diferentes clientes da empresa receberam os participantes da formação.


Dicas para dar um reset na carreira

Se você ainda tem dúvidas sobre o Reset, aqui estão algumas sugestões de quem já passou pela experiência de investir em uma nova carreira e iniciá-la na CWI.

“Buscar aprender o máximo possível, pesquisar por conteúdos daquilo que tem interesse. Não achar que não tem condições. Quando esbarrar na primeira porta, não pensar ‘isso aqui não é pra mim’. A tecnologia é uma área de muita persistência e muito aprendizado até se consolidar e de fato conseguir começar.” (José Ernesto Barbosa | Engenheiro de Soluções)

“Eu diria só para acreditar no seu potencial, se inscrever sem medo, porque esse programa realmente pode mudar a sua vida, assim como mudou a minha.” (Camila da Silva Becker | Desenvolvedora)

“Se você trabalha em outra área e está se sentindo estagnado ou alienado e gosta de tecnologia, mesmo que não saiba muito, e gostaria de trabalhar com algo da área, se inscreva logo! Não estou sendo hipócrita, não estou puxando o saco da empresa, eu estou sendo sincero, vale muito a pena! Lembrando que os processos dos programas da CWI demandam mais esforço por parte do interessado, muitas vezes são mais longos do que os processos de outras empresas e vão requerer a abdicação de alguns confortos por um período, mas tudo é compensado ao final deste esforço inicial. Vale muito a pena.” (Elcio Augusto Dalosto | Testador)

“Entre animado e focado, pois o time da CWI é fera. E quando o conteúdo ficar difícil, procure ficar tranquilo, não desista e dê o seu melhor, que vai dar certo!” (Diego Alex dos Santos das Neves | Programador)

“Se inscreva, vale a pena. Acredite em si, porque nós da CWI acreditamos. E se você não conseguir na primeira tentativa, não desista, é recompensador.” (Joelma De Oliveira Prestes | Testadora de Software)

“A primeira coisa é ter certeza se realmente quer isto. Se tem certeza, foque totalmente em aprender o máximo que conseguir durante o processo, e se possível, já vá estudando algo antes de iniciar. Existe muito conteúdo bom (e de graça!) na internet. Se dedique o máximo possível e, mesmo que esteja muito difícil, não desista. Faça um planejamento do seu tempo para conseguir se organizar e se dedicar aos estudos. Se não for selecionado, continue tentando… A cada nova tentativa, você estará mais preparado para na próxima conseguir passar — eu mesmo não passei na minha primeira tentativa.” (Everton Machado Rosa | Desenvolvedor)

“A dica que eu daria é sempre acreditar em si mesmo, no seu potencial. Estudar diariamente, ter resiliência e jamais desistir.” (Ivelise Brum Cicognani | Testadora de Software)

“O Reset é uma oportunidade única para quem está procurando uma porta de entrada na área da tecnologia. O aprendizado ocorre em um clima descontraído e o conteúdo abordado prepara você muito bem para iniciar sua carreira como desenvolvedor. Tenho certeza que o programa será excelente para você aprender e aprimorar seus conhecimentos.” (Felipe Pereira Borges | Programador)

“Se esforce muito, porque vale a pena. Às vezes a gente acha que não é capaz, mas a verdade é que somos muito mais do que imaginamos. Seja curioso, não tenha vergonha de pedir ajuda, não tenha medo de expor sua opinião, compartilhe o processo com os colegas.” (Fabiana Kirsch | Testadora de Software)

“É uma grande oportunidade, dedique-se e aproveite ao máximo o que o programa tem a oferecer.” (Nicolai Chaplin Poletto | Desenvolvedor)

Decidiu que chegou a hora de mudar de profissão? Fique de olho na página do Reset e nas nossas mídias sociais para saber quando teremos novas vagas para iniciar na carreira promissora da TI! 😉


Conheça também outros programas de formação da CWI: o Crescer (estágio na área da Tecnologia da Informação) e o Let’s Code (evento que apresenta a TI em escolas).

Gostou?